Perda de pares

Ela perdeu os dois. Seus dois pares. E descalça foi barrada na porta da festa. Espiou os pés pelados, colados ao chão. Estava mesmo presa à condição dos sem sapatos, que de dois se desdobraram em nenhum. Eram dois saltos altos, mas outros nomes poderiam sem prejuízo se encaixar ante o numeral dois. Impiedosa, a perda — de quem ou o que fosse — desafiava: “Não vai entrar”. Qual uma Cinderela às avessas, voltou onde os havia deixado. E os dois tinham sido surrupiados por uma estrangeira, que também desaparecera. Chegou a questionar se realmente o par existira. Os sapatos saíam de cena na hora em que se desdobrava em mais de uma mulher a cavucarem em si o que de fato se perdia. Não era mais ela, mas elas. E, descarnando, sentiu que em seu corpo uno de mulher cabiam sim vontades tantas— inclusive aquela, de ir à festa descalça.

Por Silvia Ribeiro

Simone de Beauvoir em foto de de Art Shay

Simone de Beauvoir em foto de de Art Shay

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s